domingo, 12 de dezembro de 2010

Momento de pensar




Já é tarde,
E eu aqui
Lado a lado com infelicidade,
Ouvindo um samba,

Me enchendo de cafeína,
Me afundando e pensando nas
Paixões que já tive na vida.
Os meus pensamentos sambando

Quando em você tocam .
Lágrimas fugazes em meu rosto andam.
Me recordo que  hoje mais cedo,
Sem coerência,resolvi

Ouvir o que dita a minha consciência.
Mas depois de tudo que me foi dito,
Quando  procurá-lo eu fui,
A minha voz se calou e ele ouviu nada
Do que para mim foi dito,

Depois de nada,houve tudo,
Porque no calor a minha voz soltou,
Mas, contudo,acabei esquecendo de contá-lo
O que para mim pela consciência foi dito.

Em fim ,acho que esta noite perdida está,
Já que estes pensamentos perturbantes,
Não me deixam em minha cama descansar.
Brenda Chaves

8 comentários:

  1. Parece que a voz sempre se cala na hora errada, não é?! Muitas vezes os pensamentos incomodam, mas podem também ser companheiros quando não houver mais nada além deles... Independente disso, sentir só é sempre ruim.
    Gostei do poema.

    ResponderExcluir
  2. Olá, querida!
    Adorei o seu poema...super intenso!

    Um pouco de nostalgia, as vezes, é preciso, não?
    Beijos!!!

    www.nicellealmeida.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Mas alguns sambas nos fazem ficar bem alegre.

    estou lhe seguindo me segue também

    Parabéns pelo blog gostei do layout.

    www.loverocklive.com

    ResponderExcluir
  4. Olá, adorei seus poemas.
    Voc~e tem talento.
    Bjs.
    (blog motivosingenuos)

    ResponderExcluir
  5. Muito bom o poema, você escreve muito bem...vou seguir seu blog...

    se puder da uma olhada no meu :D
    http://www.thenerdsarecool.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  6. Sobre o poema, já comentei por aqui.

    Pensar ans coisas da vida é sempre bom!

    Estou te seguindo...me visita e me segue tb?

    Te espero em meu blog ;)

    Beijos!

    www.nicellealmeida.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. A voz que se solta na cama, diz muito, mas sem verbalizar - em gritos, gemidos e sussurros. E no final, é na cama que também se descansa, porém, mais uma vez, repete-se a ausência do verbo, que nesse ínterim, vira carne trêmula.

    ResponderExcluir